sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Pai & Filho no VII Festival Nordestino de Teatro


Cheguei de Juazeiro do Norte - CE ontem, dia 09 (quinta-feira). Lá, encontrei atores, atriz, produtor de teatro e música, musicista... artistas. Dois dias conversando sobre a vida, sobre o teatro, sobre a nossa incapacidade de compreensão e resolução das inquietações de gentes e de grupos.

Aqui em Guaramiranga - CE, no VII Festival Nordestino de Teatro, revejo amigos como Mário Filho, que me iniciou na mímica Decroux; conheço Ricardo Guilherme, o criador do Teatro Radical; revejo gentes de Jampa - PB e do país de Mossoró - abraçar Jayzon, Luciana, Tony Silva e Damásio é sempre prazeroso (Cia. A Máscara de Teatro),  e vejo teatro. Teatro?!

Estou pegando a mania ruim do Jorge C.: dormir assistindo a espetáculos teatrais. O que não me instiga, me enfada. A exigência que me imponho, reflete no outro que assisto. Estranho isso. Enquanto vou apurando minha técnica vou me chateando com a imperfeição do mundo. Pensar para agir concretamente virou ato de destruição. 

Aquetar um pouco o facho. Relaxar nas cadeiras desconfortáveis de teatros, ônibus e aviões e ver que o mundo não é somente o teatro que fazemos - infelizmente.

2 comentários:

Mel disse...

Oi, me chamo Melissa, e encontrar este blog foi e tem sido muito bom. Infezmente, minha net não está muito boa para eu ler seus textos agora, mas ja vi que vou gostar bastante deste lugar!

:)

Cláudio Marconcine disse...

bem-vinda mel.