quarta-feira, 21 de julho de 2010

Notícias

Uma semana se passou e muita coisa aconteceu desde minha última postagem. Encerramos em Riachão a última etapa da temporada de estreia de Pai & Filho. Três apresentações, casa cheia, a montagem em espaço alternativo funcionou e quase que a cidade transforma Pai & Filho em espetáculo infantil. Muita criança. Incrível. E o mais incrível: assistiam em silêncio e sem dormir... vai entender... gostaria de dizer “sem se entediar”, mas, nesse caso, o depoimento teria que ser deles. De volta a São Luís, a notícia: a pequena companhia de teatro foi contemplada com o prêmio Myriam Muniz para circulação do espetáculo Pai & Filho pelo norte e nordeste do país. Único espetáculo maranhense premiado. Apenas sete na categoria em todo o nordeste. Não, não é déjà vu. Em 2010 a companhia recebeu o prêmio para montagem de Pai & Filho, agora o prêmio é para a circulação do espetáculo. Grande pequena! Desculpem a empolgação, é que são muitos anos de luta para alguns segundos de reconhecimento. Quer ler mais novidades? Vou para outro parágrafo para não confundir.
Agora filosofando: quando uma obra está pronta? Acho que era Borges que dizia que o problema de não publicar um livro é que passamos o resto da vida revisando-o. Vivo esse dilema. Tenho cinco textos teatrais e um projeto de publicação contemplado com o Prêmio BNB de Cultura. Você, leitor atento, dirá: se encaminhou o projeto desejava a publicação dos textos. Não necessariamente. Projeto é presente sem futuro. Só existe se aprovado. Então escrever um projeto é um ato esquizofrênico. Já projeto aprovado é autor apavorado: vale a pena publicar? Tem a qualidade necessária? É tamanha a incerteza que ainda nem encaminhei o livro para os pares responsáveis pela possível apresentação. O problema é que, diferentemente dos tantos livros de poemas que escrevi e nunca publiquei, esta dramaturgia reunida tem prazo para publicação, ou seja, não tem volta. Como diria meu amigo: “é dar a cara para bater”. Tenho a impressão de que os textos estavam felizes na gaveta... Eles não confessam...
Não é preciso dizer que as fotos são do debate e da montagem em Riachão

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabens a "Pequena e Grande Cia de Teatro" O importante é mostrar o Maranhão de diversas formas e melhor ainda quando se mostra através do teatro.
Parabens ao grupo!
O importante é buscar sempre, desistir jamais!
Rai de Paula
Residiu em São Luiz por 7 anos
Reside atualmente em Fortaleza

maciel disse...

e ai moço emfin estou por aqui, coisa dificil assim como a pequena cia de teatro que não para mais em São Luís. que bom! trabalhos maravilhosos tem que sair, tem que ser mostrado, e pai e filho é genial, grandioso, envolvente, sincero, quantos adjetivos poderia colocar das sensações que tive ao ver este espetaculo. PARABENS MARCELO, vc sabe que admiro muito o seu trabalho. PARABENS AOS ATORES PELO BRILHANTE TRABALHO. ABRAÇOS FORTE