domingo, 29 de março de 2015

Pequena Mostra de Teatro

 

Temos o desejo de criar um encontro teatral de caráter intimista, que selecione sete companhias brasileiras para uma vivência de uma semana, envolvendo apresentações de espetáculos, atividades formativas, debates após as apresentações, celebração, produção escrita de críticas e conteúdos teóricos, permuta de livros e materiais relacionados, e um fórum informal de discussão permanente.

O eixo curatorial da mostra seria o diálogo entre a experiência cênica selecionada e a particularidade do espaço cênico disponibilizado, a sede da Pequena Companhia de Teatro – um prédio de três pavimentos localizado no centro histórico de São Luís. A particularidade se daria pelo fato da sede oferecer, além de uma sala multiuso, com capacidade entre 50 e 100 espectadores (dependendo da configuração da encenação), diversos outros espaços: um pátio, um salão colonial, uma residência, um banheiro de 21m², um amplo camarim, uma varanda, onze sacadas, escadaria etc.

A ideia seria apresentar para a comunidade uma mostra orgânica, onde a espacialidade e o espetáculo estivessem em harmonia, dando ao espectador aquela sensação de que o espetáculo só poderia ser encenado ali; como se a mostra e o espaço respirassem juntos, tornando nossa sede um ponto de congruência de criatividade, reflexão, intercâmbio e prazer.

Outra particularidade da mostra seria a permanência das sete companhias durante todo o evento. Na busca de recuperar o diálogo e o intercâmbio que foram perdidos na maioria dos festivais e mostras de teatro da atualidade – afirmação sustentada nos mais de quarenta eventos que participamos nos últimos anos –, a proposta seria que os artistas permanecessem em constante contato, formatando um Fórum Informal de Discussão Permanente, sem horário ou tema fixo – principal atividade de produção de reflexão, promovida pelos provocadores, que poderiam ser os membros da Pequena Companhia de Teatro ou convidados.

Como eu disse, é só um desejo, uma ideia. Normalmente buscamos fazer que a ideia, mesmo embrionária, seja bem organizada, porque nunca se sabe o momento em que a vida vai nos demandar o próximo projeto. Nossa persistência caminha no ideário de extrair, do prazer do nosso fazer, o nosso sustento, e para isso, brincamos de imaginar o que gostaríamos de fazer. Esprememos nosso juízo buscando as opções que o teatro nos oferece, tentando estabelecer uma visão estratégica que garanta o nosso sonho. Às vezes nos falta o mecenas. Alguém se habilita?

8 comentários:

rdtxt disse...

Falou em dinheiro, Marcelo, nem comentário tu recebe. Ô povo canhenga dessa terra chamada Brasil. Pessoal só quer ter é Varanda Goumert. Rs. Eu tô quebrado. Tivesse grana, te arrumava umas notas. Não duvido nem perder o emprego em breve, rs. Aguardemos que a crise está apenas aumentando. Bjo :]

Marcelo Flecha disse...

(Gargalhadas) Bota canhenga nisso! Agora, se eu pagasse dez rela por comentário, você ia ver!

Mônica Danuta disse...

Ideia fantástica. Queremos demais fazer parte desse sonho

Rodrigo França disse...

Visão de Negócio! Acredito na viabilidade da execução de tal projeto. Quantas articulações insuspeitas ele suscitará através do encontro que, além da aprendizagem, é húmus de cooperação e oportunidades.Falar em dinheiro é complicado... mas necessário. É muito mais que o pires na mão. É tempo de encaramos o fazer artístico sobre a categoria de trabalho, com suas dificuldades e constrangimentos. Ampliará nossa lugaridade produtiva e fomentaria a construção de uma rede autossustentável!

Luciana Duarte disse...

Será que o mecenas mais uma vez errou de endereço? Pulou a casa? O que seria da gente se não fosse o sonho?! Contaminação!Eu quero brincar! Vamos brincar!Pronto!Está feito!

Marcelo Flecha disse...

Com o carinho da Monica e da Luciana, e a visão de negócio do Rodrio, essa mostra sai já já!

Rute Ferreira disse...

Eu li essa postagem depois de ler o Manifesto Calado. É no mínimo curioso que a falta de fé em algumas coisas não altere em nada a vontade de continuar tecendo projetos como esse...

P.S.: A história dos dez reais por comentário tá valendo? Bora fazer essas contas aí então...

Marcelo Flecha disse...

É fé no fazer, Rute.